sexta-feira, 23 de julho de 2010

                                                   “Como serão nossas descendências.”
Texto: Provérbios 22.1-16


Texto chave
V.6 “Eduque a criança no caminho em que deve andar e até o fim da vida não se desviará dele.”
Promessas
Ensinar nossos filhos a verdadeira palavra de Deus, para que eles sigam o caminho e os entregarmos a serviço de Deus, Ele trará nossos descendentes.
Condição
Deus nos confiou à tarefa de conduzir nossos filhos nos caminhos de Senhor, se assim o fizermos, eles terão uma vida abençoada e terão muita alegria em transmitir os mesmos ensinamentos a seus filhos, que por sua vez, os repassarão aos seus.
Aplicação prática
Crianças não precisam ser treinadas, precisa ser guiadas, a vida não é só sobre lições intelectuais e informações, é sobre integrar a verdade de nossas vidas diárias, Deus nos chama a colocar nossos filhos e seu treinamento para o topo da lista das nossas prioridades.
Porque nossos filhos são eternos, enquanto a maioria das coisas nas quais investimos o nosso tempo é temporária.
E nós como pais cristãos, temos a responsabilidade de formar nossos filhos á imagem de Cristo Jesus, devemos modelá-los para que sigam o caminho de Cristo.
Todo pai é um “pastor” do rebanho que Deus lhe concedeu.
Todos nós como pais devemos orar com nossos filhos, porque o pai que ora por seus filhos providenciam uma forma de proteção para eles contra todas as enfermidades do pecado, e assim juntos pais e filhos, procuram conhecer a vontade de Deus para nosso relacionamento.
Como nossos filhos têm visto nossas atitudes? Eles têm motivos para se orgulhar de nós ou o que vêem os envergonha? O exemplo que lhes damos marcará positivamente suas vidas e servirá de modelo para ensinarem também a seus filhos ou o melhor que têm a fazer é esquecer as experiências vividas durante seu crescimento? Que influência você deixará para seus descendentes?
Rhema
Guiar nossos filhos no caminho do Senhor







2 comentários:

  1. lindo seu trabalhos amei tudo tem um selinho no meu blog para vc pega la é importante beijos

    ResponderExcluir
  2. Se criássemos cada criança nos ensinamentos de Cristo a realidade da nossa sociedade seria outra e nosso país estava mais ajustados. Portanto, vale o conselho: "Ensine a criança no caminha que deves andar paa que quando cresça jamais venhas a se desviar dele!"... Parabéns pelo blog!

    Na oportunidade aguardo sua visita no meu blog "MEUS POEMAS MINHA VIDA" para embelezar com seus sábios comentários... Grande abraço!

    http://joselitootilio.blogspot.com/2010/07/fernanda-brum-visao-da-gloria.html

    ResponderExcluir

OUVIR A VOZ DE DEUS E RESPONDER



“Por isso Eli disse a Samuel: Vai deitar-te; se alguém te chamar, dirás: Fala, SENHOR, porque o teu servo ouve. E foi Samuel para o seu lugar e se deitou. Então veio o SENHOR, e ali esteve, e chamou como das outras vezes: Samuel, Samuel. Este respondeu: Fala, porque o teu servo ouve.” (1Sm 3:9,10)

Nesse texto das Escrituras, Deus repreende a Eli e Samuel é chamado como sacerdote-profeta. Samuel foi consagrado a Deus, desde a sua concepção, pois Ana, sua mãe, era estéril. Deus concede a petição de Ana e esta faz um voto a Deus de entregar seu filho ao SENHOR por todos os dias da sua vida. Com a aprovação do seu marido, depois de desmamar o menino o apresentou à casa do SENHOR:

“Por este menino orava eu; e o SENHOR me concedeu a petição, que eu lhe fizera. Pelo que também o trago como devolvido ao SENHOR, por todos os dias que viver; pois do SENHOR o pedi. E eles adoraram ali ao SENHOR” (1 Sm 1:27-28)

Os pais de Samuel decidiram-se sobre o caminho que seu filho deveria seguir, e o entregaram nas mãos do sacerdote Eli para que servisse na casa de Deus. Como olhamos para isso nos dias de hoje? Sabemos que Deus deu autoridade aos pais sobre seus filhos para guiá-los e instruí-los dentro de um contexto onde o que Deus pensa, fala e deseja é o mais importante tanto para o casal, quanto para os filhos e família. Em pleno século XXI, o que menos nos preocupamos é se Deus está, ou não presente nos relacionamentos. Pelo que vemos, a ausência de Deus e Sua Palavra, nos lares, têm demonstrado a falta de temor, de respeito e de honra, entre cônjuges, entre pais e filhos, estendendo-se as demais áreas do relacionamento humano.

Embora Eli e seus filhos estivessem fora da posição em que Deus os havia colocado e, o pecado estivesse presente, o menino Samuel foi criado num ambiente de piedade. Acostumado com o serviço divino e amparado pelos cuidados de sua mãe, ele ia se desenvolvendo física e espiritualmente.

Os pais de Samuel assumiram a total responsabilidade sobre o futuro dele e o ampararam, enquanto que, o próprio sacerdote Eli acabou abrindo mão de toda a sua casa e descendência, deixando para segundo plano sua liderança como esposo e pai, e acabou atraindo o juízo de Deus para si e para toda a sua família.

Em tempos de decisão, Deus sempre se apresenta, chama e fala a fim de que ouçamos a Sua voz. Tais oportunidades devem ser seguidas de gratidão e obediência.

“O SENHOR chamou o menino: Samuel, Samuel. Este respondeu: Eis-me aqui”.

Por três vezes consecutivas, Samuel correu a Eli para atender à chamada que julgava ser dele, finalmente recebe instruções claras de Eli:

“…se alguém te chamar, dirás: Fala, SENHOR, porque o teu servo ouve…” (v.9)

Mas Samuel não o faz; responde apenas: “Fala, porque o teu servo ouve”, omitindo a palavra “SENHOR”. Samuel embora estivesse no serviço a Deus, não conhecia ao SENHOR. É possível isso acontecer? Certamente que sim. Muitos podem realizar muitas coisas, sem nunca ter tido uma experiência pessoal com Deus ou um encontro, como Samuel teve, totalmente sobrenatural.

“Naquele dia suscitarei contra Eli tudo quanto tenho falado com respeito à sua casa: começarei, e o cumprirei”. (v.12)

O sacerdote Eli estava velho e já não podia ver, tornou-se negligente e resignado com o pecado, e perdeu a sua descendência.

Entre o “profeta velho” e o “profeta novo”, está a vontade de Deus. Que possamos ser renovados pelo poder dessa Palavra, e abrir o coração para o chamado de Deus. Não sabemos por quantas vezes, temos sido chamados por Deus, mas precisamos responder em tempo.

No livro do Apocalipse, está escrito:

“…Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe”. (Ap 2:17)

Chamar pelo nome, implica em aliança e paternidade.

“Quanto a mim, será contigo a minha aliança; serás pai de numerosas nações. Abrão já não será o teu nome, e, sim, Abraão; porque por pai de numerosas nações te constituí”. (Gn 17:4,5)

O filho leva o nome do pai e pelo nome é revelada sua paternidade. De forma grandiosa somos os “filhos de Deus”, cuja paternidade é inquestionável por causa de Cristo.

Tanto quanto Samuel, Abrão também atendeu ao chamado, fez uma aliança com Deus, teve o seu nome engrandecido e engrandeceu a Deus de geração em geração, até aos dias de hoje.

“…Eu sou o Deus Todo-Poderoso: anda na minha presença, e sê perfeito. Farei uma aliança entre mim e ti, e te multiplicarei extraordinariamente”. (Gn 17:1-2)

Quantos podem ouvir Sua voz e responder ao chamado!